Sobre o 22


Em resumo: um vinho sem cerimônias e de personalidade carismática.

Criamos o 22 pra você que não aguenta mais a sensação de que comprar vinho é uma maratona dentro da sua própria cabeça. Nos preocupamos em escolher um bom líquido, uma belíssima embalagem e uma comunicação pra te fazer rir com direito a soprinho de nariz. Seu trabalho? Recostar no sofá — ou cadeira de plástico — e curtir.

Não é que a gente não acredita nos terroirs, notas olfato-gustativas ou qual a denominação de origem comum; é que a gente sabe que você não entende sobre elas, então vamos deixar mais fácil que clicar em "comprar". 

 

Beleza, e esse 22 no nome?

Sabia que você ia perguntar isso. E se não perguntou, já me adianto em responder: O universo dos vinhos parou no tempo, enquanto o resto do mundo tá fazendo NFT até de chiclete.

Com essa vontade de mudar a forma como essa bebida milenar é consumida, olhamos pro passado e encontramos um movimento que tinha a mesma proposta; o Modernismo. 

Sem essa de reproduzir o que a arte europeia ditava na época, os modernistas decidiram fazer arte de uma forma que representasse a realidade brasileira e o que eles acreditavam que era o futuro. Nunca o jeitinho brasileiro fez tanto sentido. Em 1922, fizeram a Semana de Arte Moderna no Brasil e mostraram a que vieram: questionar e mudar. 

Por essas (e outras) decidimos que 22 seria um bom nome pra homenagear uma semana que mudou o rumo da arte no Brasil, assim como nós queremos fazer com os vinhos. 

Muito prazer, 22 😉